Dicas para iniciantes

Ainda sou um iniciante de aeromodelismo, tenho muito que aprender, mas o que descobri até agora já é o suficiente para construir meus próprios modelos e voar.

Desde criança tenho vontade de ter um aeromodelo, mas sempre me desanimei achando que seria muito caro e difícil, e que qualquer erro de pilotagem terminaria em prejuízo.

Um dia, navegando no site http://www.howstuffworks.com (recomendo acessar, ensina com bons detalhes como funcionam muitas coisas interessantes), vi na seção de "gadgets" um B2 da Megatech, todo feito de espuma e um motor speed 400. A descrição de sua resistência me animou, mas o vôo ainda parecia muito rápido. Comecei a pesquisar o assunto. Conheci o site E-vôo, e fiquei animado com os modelos de isopor e depron.

Depois de muita pesquisa, optei por pilotar aeromodelos elétricos, por causa de suas vantagens:

    São mais leves e, portanto, mais seguros. Não existe perigo de causar danos pessoais ou a materiais;
    Não tem nada para limpar depois do vôo, posso deixar o avião no porta-malas do carro a semana toda e voar 1 hora na quarta-feira à noite depois do trabalho;
    Posso voar perto de casa ou do trabalho, não preciso procurar pistas grandes;
    Não tem preocupação com combustível tóxico;
    Modelos de isopor ou depron são rápidos para montar e suportam quedas sem grandes danos.
    Pesquisei algumas lojas e passei um tempão sem saber se comprava um kit RTF ou tudo separado, se rádio de 4 canais servia ou precisava de 6, se era melhor kit de isopor (mais resistente) ou balsa (mais leve). Como estava com pouquíssimo tempo por causa do trabalho e não ia conseguir ir nem ao Pacaembu, comprei um Megatech X-EC e passei a voar nos jardins do museu do Ipiranga. Foi um brinquedo legal, mas muito limitado.
Continuei juntando informação e comprei um transmissor, motor, hélices, flight-pack, depron, isopor, até começar a montar aviões e pilotar.

Todas as peças têm um peso, um preço, uma capacidade diferente. E tudo isto precisa ser ponderado para a experiência não terminar em frustração.

Com muita ajuda dos amigos do forum do e-voo consegui passar por tudo isto e montar alguns modelos que voaram e me deixaram muito satisfeitos.

Primeiro precisei não acreditar em preconceitos dos aeromodelistas Glow. Alguns lojistas tentaram me empurrar um modelo glow para aprender com um instrutor. Isto é besteira, é fácil aprender a voar um aeromodelo elétrico sozinho, treinando no simulador e com algumas dicas dos outros pilotos no dia do vôo. Basta usar um modelo lento e estável.

Meu primeiro modelo foi o Frog, que acabou sofrendo por alguns erros básicos como ficar muito pesado e usar uma bateria que não dava o rendimento necessário.

Voltando para casa depois do vôo do Frog, passei na frente de uma loja de pesca. Resolvi entrar e perguntar por varas baratas para tirar os gomos. O dono me mostrou alguns potes com centenas de gomos de diversos tamanhos, expessuras e materiais.

Acabei comprando um gomo de fibra de carbono e um de fibra de vidro. No mesmo dia o gomo de fibra de carbono serviu de cauda, alguns restos de isopor formaram a fuselagem e o gomo de fibra de vidro foi a longarina para uma asa poliédrica de pluma 3mm e deprn 2mm, mas agora com um perfil grosso.

No dia seguinte de manhã já estava pronto, desta vez com 400 gramas. Depois de lincado e acertado o CG não me contive e apesar de não ter ninguém para me ajudar no vôo inaugural, foi para a praça mais próxima, liguei o motor e lancei.

Funcionou, o modelo saiu voando reto e subindo a 20 graus. Deixei ganhar altura e comecei a me aventurar com os sticks. Curva para a esquerda, perdeu altura, cabra um pouco, faz curva nivelado. Estava tudo indo bem até que acertei um poste de frente. O eixo da redução entortou um pouco, mas o resto estava bem. O teste de resistência estava feito. Nada pior que isto podia acontecer, perdi o medo. Apesar de nunca ter pilotado nada antes e de ter visto poucas vezes aeromodelos voando de perto, consegui controlar meu novo brinquedo.

Fiz vários vôos, até acabar a bateria. Voltei para casa feliz, e com muita vontade de comprar bateria.

Como tudo pode sempre ser melhorado, na segunda-feira comprei isopor P3 e refiz a fuselagem, mais aerodinâmica. Refiz a asa toda com depron 2mm, para deixar mais leve (economizei 50 gramas). Feliz com o ganho de peso, abusei e coloquei trem de pouso triciclo. Ficou de novo com 390 gramas, mas agora com uma bateria que ia dar mais potência.

Na quarta-feira à noite fui ao Paca. Criei coragem e lancei, dei uma volta e pousei. Fiz isto várias vezes. Depois de alguns minutos, criei coragem e decolei do chão. Subiu muito bem. Me senti realizado.

Se você está entrando no hobby, sugiro que veja o projeto do MiniStick na seção de Reviews. Um projeto meu (por incrível que pareça) mas que se revelou um ótimo avião treinador. Foi feito no chute e alterado várias vezes, mas agora fiz uma planta para quem quiser algo parecido.

O Aerosonde é outra excelente opção, com a vantagem de ser muito resistente e não quebrar hélices e motores em pousos desastrados. Já fiz dois destes e considero meu melhor projeto. O Arrowsonde é seu sucessor, um modelo menor, mais leve e mais ágil, usando motor nacional com uma bateria mais leve.

Depois que aprendi um pouco mais comecei a ajudar outros iniciantes a escolher modelos. Em alguns casos a escolha era difícil, porque quem mora longe dos grandes centros dificilmente consegue um piloto para ajudar nos primeiros vôos e, pior, se quebrar hélice ou motor terá que comprá-los pelo correio pagando sedex e esperando dias para chegar.

Para ter uma opção fácil de fazer e resistente o suficiente para um iniciante aprender sozinho, projetei o Buster, que ganhou este nome em homenagem ao boneco de crash-test do programa MythBusters, do Discovery Channel. O teste básico deste modelo foi lançá-lo sem ajustes prévios, voá-lo, acertar um poste com ele e em seguida mergulhar de 20m de altura no asfalto. Ele sobreviveu a tudo isto, como mostra o filme.

Também para ajudar a montar o primeiro modelo, preparei a lista de preços do artigo "Quanto Custa", que se baseia no equipamento que uso neste modelo, mas serve para a maioria dos modelos elétricos.

O avião pode ser comprado em kit ou semi-pronto. Ou montado pelo próprio modelista, o que pode parecer difícil, mas não é.

O importante é fixar seu objetivo e planejar o que vai fazer. Não é difícil e quando estiver com dúvida, pergunte.